4. Quem governa o quê?
Conheça os projetos da área
 
4. O principal objetivo desta linha de pesquisa é mapear formas alternativas de governança em áreas urbanas e suas conexões com o Estado, de forma a entender “quem faz o quê?”. Esta linha de pesquisa busca analisar padrões de governança que não sejam necessariamente controlados pelo Estado e por suas agências. Busca compreender dois aspectos aparentemente contraditórios das descrições sobre a  gestão dos territórios no Brasil: de um lado, como um caso em que a implementação de políticas é controlada tanto por interesses privados quanto patrimoniais; de outro, como um caso notável de experiências de ativismo cívico. Tomadas de forma isolada, nenhuma delas descreve completamente os padrões de governança urbana de fato existentes. Além disso, as evidências mostram que, em qualquer caso, as ligações com o Estado e suas agências são a chave para entender a governança. Três subprojetos tratam desse problema de pesquisa:
 
4.1 - os padrões de governança em políticas urbanas, por meio da identificação e comparação de diferentes combinações das relações entre agências do Estado e grupos tanto legais como ilegais dentro da sociedade civil nas políticas urbanas das grandes metrópoles. Coordenado por Eduardo Marques em colaboração com Patrick Le Galés (Fondation Nationale de Sciences Politiques), Mike Raco (University College of London), Claire Colomb (University College of London), Alberta Andreoti (Univeridade de Milano, Biccoca), Ursula Peres (EACH/USP) e Vicente Ugalde (Colegio de Mexico).
 
4.2 - os padrões de governança na periferia das cidades metropolitanas, pela análise das conexões entre os chamados “grupos marginais”, as políticas do Estado, as organizações sociais e o crime organizado, coordenado por Gabriel Feltran.
 
4.3 - a composição dos conselhos de políticas da sociedade civil brasileiros, de forma a entender quem está representado neles e o teor das decisões que tomam, coordenado por Adrian Gurza Lavalle em colaboração com Elisa Reis (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e Ernesto Isunza Veras (CIESAS, Mexico).