r e s u m o


Continuidade e descontinuidade:
da semiolingüística de Saussure à semiótica de Greimas

por Edward Lopes

Resumo: Em meio aos gestos radicais de Saussure que inauguram a lingüística contemporânea, merece particular atenção a primazia concedida não mais ao objeto – como ainda era o caso com o positivismo dos neogramáticos – e sim ao ponto de vista sob o qual ele é considerado. Há no pensador suíço, ademais, uma dialética específica das relações entre identidade e diferença dos termos em exame, que já indica um caminho de ultrapassagem das suas famosas dicotomias, mediante a síntese de um metatermo a subsumir os termos-objeto opostos num nível imediatamente inferior. É assim com língua/fala/linguagem, sincronia/diacronia/pancronia, etc. Os ganhos metodológicos e teóricos trazidos pelo trabalho pioneiro de Saussure seriam explorados em diferentes direções pelas múltiplas tendências que, de cem anos a esta parte, têm feito sua posteridade nas ciências da linguagem. Dentre essas, a que pretendemos salientar na presente ocasião é a semiótica da Escola de Paris, e em especial a obra de Algirdas Julien Greimas.


Docente aposentado da UNESP de Araraquara, Edward Lopes escreveu, entre inúmeros títulos, Fundamentos da lingüística contemporânea , Discurso, texto e significação , O Mito e sua expressão na literatura hispano-americana (co-autoria com Eduardo Peñuela Cañizal), Metáfora – da retórica à semiótica , A Palavra e os dias , Metamorfoses – a poesia de Cláudio Manuel da Costa , A Identidade e a diferença . De sua atividade como tradutor destaca-se a colaboração na versão brasileira de A. J. Greimas & J. Courtés, Dicionário de semiótica.



:. Sexta-feira, 28 de abril de 2006
Das 12h30 às 14h00
Prédio de Letras USP, Sala 266

Voltar