FAPS 07.06.2013

O ponto de vista etnossemiótico. Novas perspetivas para o tratamento formal da experiência do vivido. Um ponto de vista alargado da apreensão do sentido

por Francesco Marsciani
(Università di Bologna)

A semiótica contemporânea pode finalmente tentar fazer face àquilo que é chamado há mais de um século de “a experiência vivida”. A renovação da relação com uma certa fenomenologia (madura e consciente) possibilitará à semiótica o tratamento de efeitos de sentido enquanto tais, a partir de uma formalização local e descritiva das paráfrases às quais tais efeitos usualmente dão lugar. Trata-se, então, de desenvolver uma atitude analítica (mais do que um método em si) que se poderia chamar de “etnossemiótica” para destacar a possibilidade de se pensar a semiótica (estrutural e gerativa) como um campo de práticas derivativas que partem de efeitos vividos, sempre determinados no hic et nunc da experiência.

Francesco Marsciani obteve seu mestrado em Filosofia no ano de 1978 com a dissertação intitulada "La semiotica di Condillac" sob a orientação de Umberto Eco. Fez o doutorado sob a orientação de A. J. Greimas durante quatro anos (1981-1985) e obteve seu título de PhD na Itália, em 1990, com uma tese intitulada "Ricerche intorno alla razionalità semiotica". Tornou-se Pesquisador em 1996, e Professor Associado da Universidade de Bolonha em 2005. É co-diretor da coleção "Teoria della cultura" na Esculapio Editore e, desde 2009, dirige o C.U.B.E. (Centro Universitario Bolognese di Etnosemiotica) da Universidade de Bolonha.

:. página inicial do faps

Sexta-feira, 07 de junho de 2013.
Das 14h00 às 15h30. Sala 260 do
Prédio de Letras USP.

A palestra é aberta a todos os interessados. Não é necessário inscrever-se previamente.