FFCLH inaugura galerias e espaços de memória no prédio da Diretoria e Administração

A iniciativa faz parte das comemorações dos 85 anos da Unidade e tem o propósito de resgatar a memória da Instituição e daqueles que contribuíram para que ela se tornasse o principal centro de estudos em humanidades do País
Por
Eliete Viana
Data de Publicação

 

 

espaços de memória
No espaço de memória As Casas da FFCL e As Casas da FFLCH, pode ser visto imagens e curiosidades sobre os lugares em que a Faculdade esteve instalada durante seus 85 anos - Foto: Fábio Nakamura / FFLCH USP  


Na tarde de 3 de dezembro, foram inauguradas duas galerias e espaços de memória no prédio da Diretoria e Administração da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). As inaugurações fazem parte da programação do evento Patrimônio Inestimável, realizado em comemoração aos 85 anos de fundação da Faculdade.
 
A primeira galeria tem o nome Os Fundadores: professores da primeira turma de formandos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) – 1936/1937, com fotos, notas biográficas e fragmentos de textos de 33 professores, muitos deles estrangeiros, como Claude Lévi-Strauss, por exemplo. 

Estes professores acompanharam a formação da primeira turma de alunos graduados pela antiga FFCL em suas três seções e nove subseções: Filosofia, Ciências Físicas, Matemáticas, Naturais (Biologia, Botânica, Fisiologia, Mineralogia e Geologia, Zoologia), Químicas, Sociais e Políticas; Geografia e História; Letras Clássicas e Português e Línguas Estrangeiras.

Esta galeria foi organizada originalmente como exposição temporária, em 2009, para a comemoração dos 75 anos da FFLCH e da USP e, agora, nos 10 anos depois, ganha uma presença permanente.  A organização é de Abilio Tavares, Lilia Schwarcz, Maria Arminda do Nascimento Arruda e Plinio Martins; com pesquisa de Abilio Tavares e Karina Cardoso.

Eméritos 

Professores eméritos é o nome da segunda galeria, que apresenta fotos, notas biográficas e as trajetórias acadêmicas de 62 docentes que receberam o título de professor emérito pela Faculdade. Este título é uma distinção concedida, segundo o artigo 93 do Estatuto da USP, a professores aposentados que se destacaram por atividades didáticas e de pesquisa ou contribuíram, de modo notável, para o progresso da Universidade. 

A pesquisa sobre os docentes foi feita pela Assessoria para Projetos Especiais e do Serviço de Comunicação Social da FFLCH. 

Nesta lista, está Fernando de Azevedo, o primeiro homenageado, Maria Isaura Pereira de Queiroz, a primeira mulher agraciada; além de Carlos Guilherme Santos Serôa da Mota e Marilena Chaui, que continuam em plena atividade intelectual.
 
Já os espaços de memória apresentam As Casas da FFCL e As Casas da FFLCH, através de paineis com dados e imagens dos principais espaços ocupados pela Faculdade no centro da cidade de São Paulo até a estrutura atual na Cidade Universitária.  

Uma das curiosidades apresentadas é a informação de que a FFCL funcionou inicialmente em instalações emprestadas da Escola de Comércio Álvares Penteado, sendo que depois algumas seções foram instaladas na Faculdade de Medicina e outras na Escola Politécnica. 

O prédio da Rua Maria Antonia também foi lembrado. Este espaço é famoso por ter sido o local que a FFCL ficou por mais tempo em sua história, de 1949 a 1968, e pela batalha ocorrida neste endereço, nos dias 2 e 3 de outubro de 1968. 

“Com a inauguração de hoje celebramos os nossos professores eméritos, os fundadores, aqueles que tiveram papel acadêmico destacado. Estamos pensando o passado para podermos pensar o nosso futuro, não só para nós, mas para toda a sociedade. Pois, engana-se quem pensa que a grandeza da USP venha somente das áreas técnicas. Nós também temos dado grande contribuição", destacou a diretora Maria Arminda do Nascimento Arruda no início da cerimônia de inaugurações.

Antiga FFCL 

Antes da visitação do público presente às galerias e espaços de memória, alguns docentes de Unidades com cursos que até 1969 faziam parte da FFCL participaram da cerimônia e falaram um pouco sobre a história.

A representante do Instituto de Química foi a professora Shirley Schreier, que completou 60 anos de ingresso na graduação da USP em 2018, relembrou a trajetória dos primeiros professores da área de química. 

Entre os professores lembrados por Shirley, pode-se destacar o professor Paschoal Senise, formado na primeira turma da FFCL, em 1937, e Heinrich Rheinboldt, que era alemão e de origem judaica, o qual aceitou vir para o Brasil lecionar por estar se sentindo desconfortável e inseguro na Alemanha, que era governada por Adolf Hitler. 

O professor Carlos Alberto Barbosa Dantas, do Instituto de Matemática e Estatística (IME), recordou que fazia parte da congregação da FFCL e estava participando de uma sessão quando aconteceu a batalha da Maria Antonia, em outubro de 1968. 

Dantas apresentou várias imagens de mapas de planos diretores da Cidade Universitária, de 1937 até 1972, que mostravam os projetos de onde seriam instalados as faculdades e institutos. De acordo com as explicações do professor sobre os mapas, a ideia inicial previa bastante integração entre os cursos e as Unidades de Ensino e Pesquisa da USP, que estariam localizados bem próximas umas das outras, o que acabou não se concretizando pela distância física em que foram instaladas.

O vice-diretor do Instituto de Geociências (IGc), Paulo César Boggiani, declarou ser uma grande alegria para o IGc ter feito parte da antiga FFCL e, por isso, também estar participando destes eventos comemorativos na atual FFLCH. O professor Boggiani contou um pouco sobre a participação da área de Geociências na USP nestes 85 anos de existência da Universidade.
 
As duas galerias e espaços de memória no prédio da Diretoria e Administração da FFLCH podem ser visitadas pelo público em geral, de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h.

O prédio está localizado na Rua do Lago, 717 – Cidade Universitária, São Paulo.