Professor da Faculdade refaz e retrata em documentário a viagem de Spix e Martius pela Amazônia

O filme foi realizado por Willi Bolle, da área de Língua e Literatura Alemã do Departamento de Letras Modernas, como integrante da equipe do Instituto Martius-Staden. Além do documentário, ele foi curador de exposição que apresentou imagens das viagens
Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria

 

 

Já está disponível ao público em geral o documentário Refazendo a viagem de Spix e Martius pela Amazônia, que é a terceira parte da obra audiovisual realizada durante as três viagens à Região Amazônica em 2019. O documentário faz parte do projeto 200 anos da viagem de Spix e Martius pelo Brasil, idealizado pelo Instituto Martius-Staden com participação do professor Stefan Wilhelm Bolle (mais conhecido como Willi Bolle), da área de Língua e Literatura Alemã do Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

O documentário pode ser assistido pelo link do YouTube: 
https://www.youtube.com/watch?v=_eqyjKfd3z0&feature=youtu.be

Onde tudo começou

Em 1817, Johann Baptist von Spix – doutor em Medicina, porém apaixonado pelas Ciências Naturais – e Carl Friedrich Philipp von Martius – médico, naturalista e botânico – partiram para uma expedição de três anos que contornou o país, do Rio de Janeiro à Amazônia, percorrendo mais de 10 mil quilômetros. 

Durante a viagem, os alemães colecionaram cerca de 6.500 espécies vegetais e quase 3.500 espécies de animais, além de peças mineralógicas e etnográficas. A aventura resultou inicialmente nos três volumes do livro Reise in Brasilien (Viagem pelo Brasil, em português).

No projeto 200 anos da viagem de Spix e Martius pelo Brasil, as viagens dos cientistas alemães foram refeitas com o intuito de retraçar os passos deles, passando por Minas Gerais, Bahia e a região Amazônica.

Essas viagens foram feitas pelo professor Willi Bolle e Eckhard Kupfer, diretor do Instituto Martius-Staden, nas quais registraram em fotos e vídeos as imagens que encontraram.

As imagens fotográficas resultaram na exposição Viagem de Spix e Martius pelo Brasil, na qual apresentaram em 21 banners o presente registrado por Bolle e Kupfer e o passado das gravuras históricas que fazem parte do livro dos alemães, traçando paralelos entre os tempos. 

Essa exposição, com curadoria de Bolle e da historiadora Karen Macknow Lisboa – que foi docente do Departamento de História da FFLCH, de 2013 a 2017 – foi exibida em centros culturais, museus e colégios. 

Podemos destacar a abertura, que foi em maio de 2018, no Instituto Martius-Staden, na cidade de São Paulo; a apresentação no Instituto Iberoamericano, em Berlim, na Alemanha, de fevereiro à segunda semana de março de 2019; e na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, na Cidade Universitária da USP, de 12 de março a 26 de abril do mesmo ano.