Programa de pós-graduação em Geografia Física completa 50 anos

A área atrai profissionais não só da geografia, mas também da geologia, biologia, meteorologia, sociologia e engenharia florestal. Formou grande parte dos doutores no País e cerca de 60% dos egressos são docentes em universidades públicas e privadas

Por
Eliete Viana
Data de Publicação

 

professor Aziz
O professor Aziz Nacib Ab’Saber é uma das referências na área da geografia física - Foto: Acervo de Aziz Ab'Saber


Para marcar a data, o Programa de pós-graduação em Geografia Física (PPGF) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP realizou uma evento virtual no dia 28 de janeiro. Na ocasião, foram apresentados vídeos sobre a trajetória do programa e das quatro linhas de pesquisa. Além de falar dos estágios e convênios em vigor com outras instituições de ensino superior.

Grandes nomes da geografia fizeram parte do programa, suas pesquisas influenciaram gerações de alunos e transformaram o olhar geográfico sobre a natureza e a sociedade.

“Olhar a natureza e a sociedade em conjunto, de forma igualitária. Conseguimos olhar o ser humano e uma rocha com a mesma atenção”, destaca a professora do Departamento de Geografia Bianca Carvalho Vieira, coordenadora do Programa de pós-graduação em Geografia Física, sobre a relevância da área de geografia física. Bianca comenta que a área tem uma pesquisa muito aplicada, ligadas às geociências, mas, claro, sem deixar de ser ligada às humanidades.  

O Programa é um dos mais antigos do Brasil na área de geografia e o único voltado especificamente para pesquisas em geografia física. No País, há cerca de 70 programas de pós-graduação em geografia, mas todos mantém juntas as áreas de geografia física e humana, como era na FFLCH de 1946 a 1971. Na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) tem nota 5 (de um máximo de 7). 

Possui quatro linhas de pesquisa: 
Linha 1 - Informação Geográfica: tratamento, Representação e Análise 
Linha 2 - Estudos Interdisciplinares em Pedologia e Geomorfologia 
Linha 3 - Estudos Teóricos e Aplicados em Climatologia 
Linha 4 - Paisagem e Planejamento Ambiental 

Mesmo sendo um programa de pós-graduação, possui profunda relação com a graduação, pois alunos do curso de geografia integram grupos de pesquisa, participam de eventos, projetos de extensão, minicursos e palestras organizadas pelo PPGF.

Pela qualidade e tipo de pesquisas realizadas, o programa atrai profissionais não só da geografia, mas também de outras áreas, como geologia, biologia, meteorologia (climatologia), sociologia, engenharia florestal, por exemplo. “A interdisciplinaridade é bastante com a área de exatas, mas continuamos com o olhar geográfico humano”, pontua a coordenadora.

Produção científica

Ao longo dos anos, o processo seletivo para ingresso no programa foi reformulado de forma a garantir isonomia a todos os candidatos. 60% do corpo discente teve a graduação ou o mestrado realizados em unidades externas à geografia e ao PPGF.

Em cinco décadas, foram concedidos mais de 700 títulos de doutorado e mestrado no Programa de pós-graduação em Geografia Física. Sendo defendidas 304 teses de doutorado, 30 de doutorado direto e 374 dissertações de mestrado. No momento, há 84 alunos no PPGF de um total de 2.507 estudantes de todos os 23 programas da FFLCH.

A qualidade das teses defendidas no programa pode ser reconhecida por premiações já recebidas:
- prêmio "Aziz Nacib Ab'Saber" da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE) de melhor tese em Geografia Física 2014/15;
- premiação de melhor tese no Prêmio Capes de Tese 2015 na área de Geografia, com o trabalho de Rodolfo Alves Luz, orientado pela professora Cleide Rodrigues;
- menção honrosa no Prêmio Capes de Tese 2017 na área de Geografia, com o trabalho de Júlio Barbosa Chiquetto, sob a orientação da professora Maria Elisa Siqueira Silva.

“Para o nosso programa, as teses e dissertações são muito importantes, mas temos uma "característica" de valorizar muito as nossas publicações de artigos nacionais e internacionais”, comenta a coordenadora Bianca. Como exemplo recente, ela cita a publicação de um artigo de um doutorando sobre a devastação da Mata Atlântica, na Revista Science Advances. “É o único programa de geografia do Brasil que tem um artigo nesta revista, uma das mais importantes do mundo”, frisa a docente.

Em 2019, o PPGF produziu 60 artigos em periódicos indexados. Destes, 45% estão classificados nos estratos A1, A2 e B1 e cerca de 40% foram publicados em periódicos internacionais com fator de impacto entre 1,871 e 5,026. Os docentes do programa vêm atuando como revisores em pelo menos 45 periódicos internacionais indexados.
 

heliógrafo
Heliógrafo: equipamento usado no Laboratório de Climatologia e Biogeografia do Programa de pós-graduação em Geografia Física - Foto: Acervo PPGF


Egressos 

A principal vocação do programa ainda é a formação de novos quadros para instituições de ensino superior de todo o País, sendo responsável pela formação de uma parcela significativa dos doutores em Geografia no Brasil.

Segundo o levantamento mais recente do programa, feito em 2019, os ex-alunos atuam como: docentes em universidades públicas e privadas em todas as Unidades da Federação (60,3%), técnicos especialistas (15,2%), professores do Ensino Médio (10,7%), pesquisadores em Institutos de Pesquisa do Governo (8,8%), alunos de  Doutorado (3,1%), autônomos (0,7%), pós-doutorandos (0,2%), outras áreas (0,5%) ou não trabalham (0,5%).

Entre esses ex-alunos, pode-se lembrar daqueles que também tiveram destaque no corpo docente do Programa de pós-graduação em Geografia Física e que receberam o título de professor emérito da FFLCH, além de outros prêmios ao longo de suas carreiras, sendo referências em qualquer curso de Geografia: Aziz Nacib Ab’Saber (1924-2012), Carlos Augusto Figueiredo Monteiro (1927 - ) e José Pereira de Queiroz Neto (1929 - ).

Atualmente, o programa possui 23 docentes (16 permanentes, 3 colaboradores (11,5%) e 4 visitantes de universidades do exterior. Dos 16 professores permanentes, 13 são vinculados ao Departamento de Geografia, um à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), um ao Instituto Geológico da Secretaria do Estado de São Paulo e um à Universidade Federal de São João Del Rei. 

O PPGF conta com seis laboratórios: de Geomorfologia (LabGeo), de Pedologia (LabPed), de Climatologia e Biogeografia (LCB); de Cartografia (LabCart); de Sensoriamento Remoto (LASERE); e de Ensino e Material Didático (LEMADI).

Há a participação de professores e alunos do PPGF, como coordenadores e/ou integrantes, em 18 grupos de pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


​​​​​​​“A busca deste desenvolvimento tem levado à incorporação de técnicas inovadoras em campos específicos, como na Cartografia (exemplo: a reepresentação dasimétrica de dados socioeconômicos e de saúde e a cartografia participativa em grupos específicos), na Geomorfologia (exemplo: o uso de modelos matemáticos na evolução do relevo e de novas técnicas em cartografia Geomorfológica) e Climatologia (exemplo: na modelagem atmosférica), com especial atenção à possibilidade de uso de métodos mistos (incluindo técnicas qualiquantitativas) e abordagem eclética, como tem sido a tendência da Geografia internacional. Concomitantemente, não temos nos afastado das problemáticas nacionais, regionais e locais nos seus variados contextos, incluindo a dimensão social. Grupos de pesquisa do Programa têm se aproximado da gestão pública na formulação de propostas de políticas públicas embasadas em evidências científicas” – ressalta a apresentação institucional do programa.​​​​​ ​​​​
 

capa geoatlas
O Geoatlas, da professora Maria Elena Simielli - hoje aposentada -, é uma das produções científicas escritas e organizadas por integrantes do Programa de pós-graduação em Geografia Física e que são referência na área de geografia - Foto: Reprodução

​​​​​​​
Convênios 


Possui convênios e projetos de pesquisas com instituições de todas as regiões do Brasil. 

12 disciplinas do programa são oferecidas na língua inglesa, de um total de 33, como parte de uma demanda da Pró-Reitoria de Pós-graduação da USP, a qual facilita o acesso de candidatos estrangeiros, colaborando para a consolidação de um ambiente acadêmico internacional.

O PPGF mantém parceria e colaboração internacional com universidades e agências de pesquisas do exterior de oito países: Argentina, Austrália, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Itália e Portugal, além dos seus professores e alunos participarem de inúmeros eventos científicos.

​​​​​​​Assista, abaixo, aos vídeos sobre o Programa de pós-graduação em Geografia Física e o vídeo do evento comemorativo dos 50 anos:
​​​​​​​




Mais informações na página do Programa, no canal do YouTube ou pelas redes sociais Instagram e Facebook.​​​​​

Fontes: Portal de Dados FFLCH e Sistema Janus ​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​