Livro discute leis alimentares entre judeus ortodoxos na atualidade

A autora, Marta Francisca Topel, aborda a conciliação das leis fundamentais do Torá com a tecnologia na produção de alimentos e em diversos aspectos nas comunidades judaicas ortodoxas

Por
Redação
Data de Publicação
Editoria

capa do livro da Professora Marta Francisca Topel

Foi lançado recentemente o livro O sagrado e o impuro no judaísmo: lei, comida e identidade (Editora Telha, 224 pág., R$ 52,90), da professora Marta Francisca Topel, do Departamento de Letras Orientais da FFLCH USP.

Neste livro, é feito uma análise histórica das leis dietéticas, embora não cronológica, discutindo teóricos que se debruçaram na bíblia hebraica, principalmente nas leis do Levítico, terceiro livro da Bíblia que fala das leis religiosas e éticas, e em escritos posteriores no intuito de encontrar a lógica por detrás da kashrut que são regras de alimentação descritas no Torá, livro sagrado dos judeus até hoje.

O foco principal é a prática das leis dietéticas entre os judeus ortodoxos, na contemporaneidade, salientando inovações decorrentes da incorporação da tecnologia na produção de alimentos, por um lado, e da radicalização da ortodoxia, por outro.

Depois de explicadas as leis fundamentais da kashrut, são analisados manuais que orientam os judeus ortodoxos nessas inovações; rituais como a páscoa judaica (que exige a consumação de numerosas e complexas regras relativas à kashrut); e a contradição entre a “vista grossa” dos rabinos em relação às violações das regras da kashrut nas granjas e abatedouros que provêm as comunidades judaicas de proteína animal em contraposição ao zelo desmesurado na verificação de insetos nos alimentos de origem vegetal.

Outros fenômenos analisados são a incidência de TOC (transtorno obsessivo compulsivo) nas comunidades ortodoxas devido às crescentes e rígidas demandas em relação às leis dietéticas e os problemas suscitados pela incorporação da tecnologia na vida cotidiana.

“A análise das leis dietéticas judaicas não se restringe à análise dos hábitos alimentares característicos dos judeus observantes, ela permite compreender diversos aspectos das comunidades judaicas ortodoxas.  Assim, questões como a pureza e a santidade do povo de Israel são problematizadas e posteriormente elucidadas, bem como traços singulares da identidade judaica ao longo dos séculos”.

A autora

A Professora Marta Francisca Topel possui graduação pela Facultad de Sociología - Universidad de Buenos Aires (1985), mestrado em Sociologia e Antropologia Social pela The Hebrew University Of Jerusalem (1990), doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e pós-doutorado pela The Hebrew University in Jerusalem (2004-5). Atualmente é MS-5 da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Cultura Judaica, atuando principalmente nos seguintes temas: judaísmo, antropologia, religião, identidade étnica e etnicidade.

Áreas de Pesquisa: Judaísmo contemporâneo, Religião Judaica, Sionismo/Pós-sionismo, Sociedade Israelense contemporânea, Antropologia urbana, Identidade étnica - etnicidade.

O livro pode ser adquirido no site da Editora Telha.

Com informações de Editora Telha