FFLCH recebe estudantes de escolas públicas no Dia na USP

O evento é organizado pelo Programa de Acolhimento aos Estudantes Cotistas da Faculdade e contará com discussões sobre a importância da universidade pública, visita pela Cidade Universitária e atividade cultural
Por
Eliete Viana
Data de Publicação


 

foto periferia
Os estudantes pré-inscritos para participar do evento são de regiões da periferia da cidade de São Paulo, de municípios da região metropolitana e do interior - Arte: Giovanna Bueno / SCS-FFLCH


No próximo sábado, dia 8 de junho, a partir das 9h30, o Programa de Acolhimento aos Estudantes Cotistas (PAECO) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) realiza o Dia na USP. O evento tem como objetivo propiciar aos estudantes das escolas públicas e cursinhos populares de São Paulo o primeiro contato com uma das mais importantes universidades do Brasil e da América Latina.

Com o tema Não Cortarão o Nosso Futuro, a proposta é aproximar os estudantes das escolas públicas – especialmente os mais pobres, negros e da periferia – do ensino superior público. A intenção é estimular o interesse pelo conhecimento e desconstruir a percepção de impossibilidade de acesso dessa população às salas de aula dessa instituição.

Segundo o coordenador do PAECO, Ruy Braga, professor do Departamento de Sociologia da FFLCH, “no sábado, a população poderá conhecer as contribuições e importância da universidade e das pesquisas científicas para a sua vida. O Dia na USP também quer encorajar os estudantes a confrontar as barreiras que impedem o acesso a esse bem público”.   

O evento foi construído em parceria com cursinhos populares da região metropolitana de São Paulo e também do interior do estado. As pré-inscrições foram feitas pelos estudantes nos cursinhos e repassadas para o PAECO para a organização do evento ter uma ideia do interesse do público. Inicialmente, a estimativa era de ter a participação de 500 pessoas.

Porém, as expectativas foram ultrapassadas. Até esta quinta-feira, dia 6 de junho, tinha registro de 1200 pré-inscrições. No sábado, dia do evento, uma parte dos estudantes irão para a USP com ônibus que foram disponibilizados pelo PAECO, mas muitos virão entre amigos e professores em caravanas com transporte público regular.

Os estudantes são das regiões da cidade de São Paulo: Cangaíba, Grajaú, Jardim Romano, Lauzane Paulista, Perus, Santana, São Mateus; dos municípios da região metropolitana: Carapicuíba, Guarulhos, Itapevi, Itupeva, Osasco, Taboão da Serra; e do interior: São José dos Campos e Sorocaba. 

Acolhimento e visita

A programação do Dia na USP começa às 9h30, com acolhida da diretora da FFLCH USP, Maria Arminda do Nascimento Arruda, e do diretor do Instituto de Filosofia e Ciência Humanas (IFCH) da Unicamp, Alvaro Gabriel Bianchi Mendez. Os dirigentes são representantes de duas das principais instituições da área de ensino e pesquisa em Ciências Humanas no país e vão falar também da importância do investimento público na educação e ciência.

Ainda na parte da manhã, o tema Não cortarão o nosso futuro será discutido com representantes do movimento de educação popular, a Rede Emancipa e do movimento negro da USP.

Em seguida, será feita uma caminhada pelos prédios da USP durante a qual os visitantes receberão explicações sobre as atividades de ensino e pesquisa realizadas em cada local da Cidade Universitária, bem como informações sobre as estruturas de assistência estudantil, como a moradia e o restaurante universitário – uma forma de mostrar aos estudantes que existem meios para continuar os estudos e que defender o investimento na universidade pública é defender o acesso a esses meios, muito importante para quem não tem recursos.

E, após a caminhada, todos os participantes irão almoçar no Restaurante Universitário da USP, conseguido com apoio do Superintendência de Assistência Social (SAS) da USP e da FFLCH.

No período da tarde, o Dia na USP continua com a apresentação de um sarau cultural, realizado pelos estudantes, no vão da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, um órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP. Este sarau terá também a participação do Coletivo Emancipado, um grupo cultural da cidade de Itapevi. O dia se encerra às 16h, com o retorno dos ônibus para os bairros.

A participação no evento Dia na USP é gratuita e aberta à sociedade em geral, sem necessidade de inscrição, bastando chegar neste sábado, às 9h30, no vão do Edifício Eurípedes Simões de Paula (Geografia e História), localizado na Av. Prof. Lineu Prestes, 338 - Cidade Universitária, São Paulo.

Mais informações pela página do PAECO no Facebook.

Com o tema Não Cortarão o Nosso Futuro, a proposta é aproximar os estudantes das escolas públicas – especialmente os mais pobres, negros e da periferia – do ensino superior público. A intenção é estimular o interesse pelo conhecimento e desconstruir a percepção de impossibilidade de acesso dessa população às salas de aula dessa instituição
Com o tema "Não Cortarão o Nosso Futuro", a proposta do evento Dia na USP é aproximar os estudantes das escolas públicas – especialmente os mais pobres, negros e da periferia – do ensino superior público. A intenção é estimular o interesse pelo conhecimento e desconstruir a percepção de impossibilidade de acesso dessa população às salas de aula dessa instituição - Arte: Giovanna Bueno / SCS-FFLCH


PAECO

Iniciativa pioneira, criada em 2018, o Programa de Acolhimento aos Estudantes Cotistas (PAECO) recebe e acompanha os estudantes cotistas da FFLCH, coordenado por professores e contando com a participação de estudantes bolsistas. O programa visa a organização e divulgação de eventos, campanhas, políticas acadêmicas e estudantis para promoção de iniciativas de combate ao racismo e de inclusão dos estudantes negros e periféricos na universidade.  

A ideia de criação do programa surgiu da necessidade de fortalecer e ampliar as políticas de permanência estudantil, principalmente após a aprovação, no ano de 2017, das cotas sociais e raciais na USP, que resultou no aumento do ingresso de alunos oriundos de escolas públicas e autodeclarados pretos, pardos e indígenas (PPIs) na FFLCH.

Em seu primeiro ano, o PAECO atuou como instrumento para garantia das condições básicas para uma vida universitária de qualidade para os estudantes cotistas em nossa universidade. Para tal, passou a divulgar e fomentar todas as formas de permanência que os estudantes podem ter acesso, tais como bolsas de iniciação científica e bolsas monitoria, bem como o acesso às políticas de assistência social da USP e iniciativas de reforço acadêmico como o Programa de Leitura e Escrita Acadêmica (PLEA) da FFLCH.

Em 2019, o PAECO deu um novo passo. Passou a existir nas redes sociais, o que permitirá uma maior divulgação das ações do programa, como eventos e campanhas, e contato direto com os estudantes, professores e gestores acadêmicos.

(Com informações da equipe do PAECO)