Aluno de pós-graduação em Filosofia lança livro de contos premiado no Programa Nascente

A obra Um corpo divisível é uma autoficção sobre ser gêmeo. Em 2018, com a inscrição de 4 dos 10 textos do livro, o autor foi um dos vencedores na categoria Texto da 27ª edição do Programa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária
Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria



O aluno de pós-graduação em Filosofia Paulo Ricardo Gomides Abe realiza o lançamento do livro Um corpo divisível, Editora Penalux, na próxima segunda-feira, dia 24 de junho, às 18h, na Casa Elefante. No ano passado, usando quatro contos deste livro, o autor foi um dos premiados na categoria Texto (subcategoria Prosa Ficcional – Conto) da 27ª edição do Programa Nascente, organizado pela Pró-Reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP. 

Um corpo divisível é um conjunto de 10 contos que representa a metáfora do tema problematizado por Paulo Abe em cada uma das narrativas, contadas ao contrário, no revés de um nascimento em que se descobre gêmeo de outro. Do locus inicial, a morte, até a chegada ao ponto de reencontro consigo e com o seu outro: o útero.
 

capa do livro

Na voz do narrador, o autor fala sobre esta questão de já ter nascido com uma pessoa ao seu lado, como se pode ver no trecho a seguir: 



O leitor talvez com dificuldade entenda minha situação. Eu não nasci como os outros, nunca tive a oportunidade de ser apenas eu, pois em qualquer superfície reflexiva, meu irmão também a preenchia.(...) Mas, ali, ainda que morto, vivia. Meu irmão gêmeo. (…) Desde o útero, minúsculo, tal grão de vida ainda não tinha nome, sua existência era ignorada por toda a população do mundo, sem falar em toda a vida animal. No fim, todos nascemos numa completa solidão. Estamos aí e ninguém tem consciência. Nascemos principalmente como fantasmas; primeiramente como aparições. (...) onde estávamos, porém, logo naquele único “aqui” que conhecíamos, descobrimos o “eu” e o “tu”.



Ao comentar sobre a classificação em que seu livro poderia ser inserido, se autobiográfico ou ficcional, o autor explica que, para ele, há uma mistura.

“Penso no livro como uma autoficção. Nem tudo dali faz parte da realidade factual para uma autobiografia, porém perpassa um simbolismo e metáforas que de fato fazem parte da minha vida, mas também de tantos outros irmãos (gêmeos ou não) e seres humanos em geral. O ficcional serve como uma tela mais real para representar as ideias e emoções com que procuro lidar nos contos tanto separadamente quanto em conjunto. (...) É difícil dizer onde um Paulo começa e acaba, assim como o Marcos”.
 
Paulo Abe tem 31 anos, é bacharel em Filosofia e atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da FFLCH. Esta não é a primeira publicação dele.

Em 2013, publicou seu primeiro romance A Última Estrofe, pela Giostri. No ano seguinte, lançou O gato preto caiu do prédio..., E-Galaxia; e também o conto O Nome de Deus, publicado na Revista Humanidades em Diálogo – editada por alunos de graduação da FFLCH –, com o qual ganhou o 3º prêmio SFX de Literatura. Em 2015, publicou o romance O Fim de Todos os Sonhos, pela Buriti. E, em 2016, foi finalista da Primeira Maratona Literária da Editora Oito e Meio com o romance Sexo Sagrado.

O evento de lançamento do livro Um corpo divisível, Editora Penalux, acontece na próxima segunda-feira, dia 24 de junho, às 18h, na Casa Elefante, localizada na Rua Dr. Cesário Mota Júnior, 277 – sobreloja – Vila Buarque, São Paulo (próxima às estações República e Santa Cecília do metrô).

Mais informações pelo e-mail: pauloaltro@hotmail.com ou pelo link de venda do livro pelo site: https://www.editorapenalux.com.br/loja/paulo-abe