Professora Safa Jubran ganha prêmio de tradução árabe pelo conjunto de sua obra

A docente do Departamento de Letras Orientais da FFLCH recebeu o Prêmio Sheikh Hamad de Tradução e Entendimento Internacional, em cerimônia realizada no último domingo, dia 8, em Doha, capital do Qatar

Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria


 

professora Safa
A professora Safa Jubran recebendo o prêmio, em cerimônia realizada no dia 8 de dezembro, no Qatar - Foto: Divulgação



A professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP Safa Alferd Abou Chahla Jubran, da área de língua e literatura árabes do Departamento de Letras Orientais, foi a ganhadora do Prêmio Sheikh Hamad de Tradução e Entendimento Internacional, na categoria de tradução do árabe para o português.

O prêmio tem o intuito de valorizar o entendimento entre as culturas e mostrar para as outras línguas o que se produz em árabe. Criado em 2015, é realizado pelo Ministério da Cultura do Qatar. São três categorias: Prêmios de Tradução, Prêmios para Entendimento Internacional e Prêmios Honorários.

Dentro de Prêmios Honorários, todo ano, se elege uma língua para ser homenageada e, em 2019, a língua portuguesa foi a escolhida. A professora foi premiada pelo conjunto de sua obra e não somente pelas publicadas no ano anterior, como acontece com muitas premiações relacionadas ao mundo editorial.
 

prêmio
O prêmio tem o intuito de valorizar o entendimento entre as culturas e mostrar para as outras línguas o que se produz em árabe - Foto: Divulgação


Safa inscreveu oito livros (o máximo permitido) que ela traduziu do árabe para o português e teve de enviar tanto a edição original em árabe quanto a da tradução dela para concorrer ao prêmio. A docente escolheu aqueles que ela julgou ser de escritores com mais renome no mundo, mas ela também acredita que um dos diferenciais para vencer foi ter mencionado na inscrição que também traduziu livros do português para o árabe.

Um dos oito livros traduzidos e inscritos pela professora no prêmio foi E nós cobrimos seus olhos, de Alaa Al Aswany, publicado em 2013 pela Companhia das Letras, pelo qual a professora ganhou o Prêmio ABL de Tradução, em 2014, organizado pela Academia Brasileira de Letras. 

Diálogo entre culturas 

A entrega do Prêmio Sheikh Hamad de Tradução e Entendimento Internacional foi realizada no último domingo, dia 8 de dezembro, em Doha, capital do Qatar. Os finalistas do prêmio também participaram do 6º Congresso de Tradução e Problemáticas da Compreensão Intercultural. 

Neste evento, Safa dirigiu uma mesa que teve seis pessoas apresentando trabalhos a respeito do tema Lexicografia. Na abertura da mesa, a professora se apresentou e falou a área em que atua como docente, destacando o fato de ser em uma universidade no Brasil. Depois, ao final, algumas pessoas lhe disseram: "não sabíamos que tinha estudos de árabe no Brasil". 

Segundo a professora Safa, apesar da presença árabe no Brasil ser muito antiga, este desconhecimento acontece porque há pouca imigração para o nosso País dos países do Golfo Pérsico, onde está localizado o Qatar. Pois, no território brasileiro, a maioria da imigração árabe é oriunda da Síria e do Líbano, por exemplo. 

"Pela primeira vez, falei do Brasil e da Universidade de São Paulo em um lugar que poucos nos conheciam. A importância deste prêmio é pelo diálogo que ele pode abrir entre estes dois lugares e outros [também] no futuro", comenta Safa.
 

público na premiação
​Público durante a premiação - Foto: Divulgação


Carreira 

“Eu sempre gostei da língua árabe e quis lecionar”, conta Safa quando perguntada por que tornou-se professora desta área. Nascida no Líbano, ela começou a trabalhar na área somente no Brasil, para o qual veio com quase 20 anos com o intuito de passar apenas três meses. Mas, acabou conhecendo seu marido e formando família no País, no qual realizou a graduação no curso de Letras, mestrado e doutorado em Linguística – todos pela USP – e, desde 1992 é docente da FFLCH. 

Ao longo de sua carreira, a professora traduziu mais que uma dezena livros do árabe para o português e também do português para o árabe. As traduções começaram como uma forma de Safa mostrar e difundir a cultura árabe aqui no Brasil. Ela tem pesquisas em: Língua e Linguística Árabe, Fonética e Fonologia, Filologia, Tradução e versão e História da Ciência. E foi chefe do Departamento de Letras Orientais de 2015 a 2017 e de 2017 a 2019.

 
professora Safa na conferência
No Qatar, a​​​​lém da cerimônia de premiação, Safa dirigiu uma mesa a respeito do tema Lexicografia e, em sua apresentação, fez questão de divulgar a USP e o Brasil - Foto: Divulgação