Cursos da FFLCH mantêm boa avaliação

Na edição de 2020 do ranking britânico QS World University by Subject, duas áreas da FFLCH aparecem entre as 50 melhores
Por
Eliete Viana
Data de Publicação




Na edição de 2020 do ranking britânico QS World University by Subject, divulgado no dia 3 de março, a USP está entre as melhores universidades do mundo em 40 das 48 áreas específicas avaliadas. Desse total, 11 áreas específicas foram classificadas entre as 50 melhores, sendo que duas delas são da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH): Línguas Modernas (42ª) e Geografia (47ª).

Quatro áreas da Faculdade estão na lista das 100 melhores: Antropologia, Ciência Política e Estudos Internacionais, História e Sociologia. Enquanto que a área de Filosofia está entre as 150 melhores e outras duas estão entre as 200 melhores universidades do mundo: Língua Inglesa e Literatura, e Linguística.

Nas duas últimas avaliações, deste ano e de 2019, as áreas de Línguas Modernas e Geografia mantiveram-se entre as 50 melhores, oscilando um pouco para mais ou para menos na classificação. Porém, a manutenção no ranking sempre é motivo de destaque.

Línguas Modernas 

Ao falar sobre o desempenho das línguas modernas, o chefe do Departamento de Letras Modernas, Adrian Pablo Fanjul, lembra que esta área específica é avaliada mediante dois indicadores: reputação acadêmica, que tem 70% da nota, e reputação entre empregadores, com 30%, e que em ambas é de se esperar que a área vá bem, apesar das dificuldades encontradas em uma instituição pública, como a necessidade de contratação de professores por causa das aposentadorias e das demissões voluntárias.

"Não é inesperado que a USP seja indicada em relação às línguas estrangeiras modernas, dado que é a única universidade do Brasil que tem programas de pós-graduação específicos para cada uma dessas línguas, fator que dá uma visibilidade nacional e internacional ímpar. E, na graduação, é a que concentra maior diversidade de habilitações e maior número de vagas. [E sobre a empregabilidade], Parece bastante razoável, dado que a empregabilidade dos formados em línguas estrangeiras é muito visível".

Ainda sobre empregabilidade, o chefe do Departamento ressalta que "não posso atribuir essa imagem apenas ao renome da USP, que com certeza tem seu peso, mas aos resultados concretos que nossos egressos mostram, inclusive comparativamente, no caso das línguas oferecidas por outras universidades no país".    

Geografia 

Na área de Geografia, o professor Emerson Galvani, ex-coordenador do Bacharelado e vice-presidente da Comissão de Graduação da FFLCH, avalia que é uma conjuntura de fatores que fazem ter uma boa posição no ranking e elencou sete deles:

-corpo docente altamente qualificado e dedicado;
-presença de dois programas de pós-graduação;
-currículo do curso que permite o caminhar no Bacharelado e na Licenciatura juntamente, ou seja, formação bacharéis e professores em um mesmo ambiente;
-presença de laboratórios especializados no total de 11 que apoia integralmente as atividades de ensino de graduação, pesquisa na pós-graduação e extensão;
-oportunidades de estágios não obrigatórios - portanto remunerados;
-trabalhos de campos que são realizados ao longo de todo o curso;
-empregabilidade dos nossos egressos atuando em todos os níveis e em diversos ramos de atuação.

Ao detalhar os tópicos apontados, Galvani destaca que 100% dos professores têm doutorado e um elevado número tem pós-doutorado "em sua área atuando no Ensino e Pesquisa de maneira integrada" e em relação ao aprendizado oferecido ressalta que os trabalhos de campo são "uma marca do curso da qual não abrimos mão - integrando prática e teoria ao longo de todo o curso".

ranking QS 2020


(Com informações da Assessoria de Imprensa da USP)