Ficção e realidade se misturam em obra sobre Rússia futurista

Com tradução da professora Arlete Ruesch, a obra narra a violência e a opressão de uma Rússia distópica de 2027, ao mesmo tempo soviética, medieval e futurista

Por
Redação
Data de Publicação
Editoria

A editora 34 está lançando o livro O Dia de um Oprítchnik, do escritor russo Vladímir Sorókin, com tradução da professora Arlete Orlando Cavaliere Ruesch, docente titular do curso de Língua e Literatura Russa do Departamento de Línguas Orientais da FFLCH.

Neste livro, Sorókin dá a voz a Andrei Komiága, membro graduado da Oprítchnina, a violenta guarda de elite do tsar Ivã, o Terrível. Sorókin recria a aventura narrada em primeira pessoa pelo miliciano, no ano de 2027, em uma Rússia ao mesmo tempo soviética, medieval e futurista. Mostra-nos as execuções sumárias, negociações de suborno e orgias regadas a drogas, vamos conhecendo as particularidades dessa realidade opressiva. Segundo o autor, estranhamente parecida com a realidade atual. Sorókin construiu uma narrativa com precisão, onde cada detalhe vale por um verdadeiro mergulho na cultura russa.

Vladímir Sorókin é um dos escritores mais originais da atualidade. Nasceu em 1955, na cidade de Bykovo, perto de Moscou, e em 1977 graduou-se como engenheiro. Ainda nos anos 1970 participou de diversas exposições de arte e trabalhou como desenhista e ilustrador. Sua atividade como escritor se desenvolveu no mundo moscovita underground da década de 1980, e em 1985 seu romance A fila foi publicado na França. Os textos de Sorókin foram banidos durante o regime soviético, e somente em 1992 foi lançada em seu país uma edição de seus Contos escolhidos. Nas últimas décadas, escreveu, além de peças, como Dostoiévski-trip (1997), vários romances, entre eles O dia do oprítchnik (2006) e a trilogia Gelo (2002), O caminho de Bro (2004) e 23000 (2005). Manteve sempre um tom crítico em relação ao atual regime político da Rússia, e seus livros estão hoje traduzidos para mais de vinte idiomas.

Após ter seus livros incendiados em praça pública, em Moscou, por partidários do governo, ele publicou em 2006 o romance O dia de um oprítchnik, uma espécie de Um dia na vida de Ivan Deníssovitch, às avessas, de Aleksandr Soljenítsin.  Sorókin, conta sua história do ponto de vista do carrasco, do opressor.

O livro pode ser adquirido no site da Editora 34.

Com informações da Editora 34