José Amarante fala sobre Ausônio, autor latino pouco estudado no Brasil e que escreveu obras sobre diferentes temas e em formatos variados

Por
Paulo Martins e Renan Braz
Data de Publicação

O professor José Amarante fala sobre Ausônio, autor latino pouco estudado no Brasil e que escreveu obras sobre diferentes temas e em formatos variados.

José Amarante graduou-se em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia, em 1999. Tornou-se mestre em Letras e Lingüística, em 2005, com a dissertação “Variação Lingüística: criança na mão, escola na contramão. Um estudo sobre a consciência dos fatores sociolingüísticos anterior à escola” e doutor, em 2013, com a tese “Dois tempos da cultura escrita em latim no Brasil: o tempo da conservação e o tempo da produção - discursos, práticas, representações, proposta metodológica”. Possui pós-doutorado em Filologia Clássica pela Università degli Studi di Siena na Itália.

Atuou em educação básica no ensino público e foi diretor pedagógico de ensino privado na Bahia. Atualmente, leciona e pesquisa nas áreas de Língua e Literatura Latinas na Universidade Federal da Bahia, onde também orienta trabalhos de pós-graduação sobre História da cultura escrita no Brasil, Antiguidade Tardia e Mitologia clássica na Idade Média. Desenvolve pesquisas em Didática do Latim, História Social do Latim no Brasil e tradução de obras de Ausônio, Fulgêncio e dos Mitógrafos do Vaticano.

Sugestão de Leitura:

ALVAR EZQUERRA, A. Decimo Magno Ausonio. Obras I. Madrid: Gredos, 1990.

AMARANTE, J. A recriação, o retorno e o eterno novo: epigramas ausonianos em português. Classica, v. 34, n. 1, São Paulo, [s.p.], 2021 (no prelo: https://revista.classica.org.br/classica/about)

BENEDETTI, F. La tecnica del «Vertere» negli epigrammi di Ausonio.  Firenze: Leo S. Olschki, 1980.

CANALI, L. (a cura di). Decimo Magno Ausonio, Epigrammi. Soveria Mannelli: Rubbettino, 2007.

GREEN, R. P. H. The Works of Ausonius. Edited with introdution and commentary. Oxford: Clarendon Press, 1991.

MOREIRA, D. S. Epigramas, Décimo Magno Ausônio. (n.t.) Revista Literária em Tradução, ano 3, n. 4, p. 9-25, mar. 2012. (Disponível em: https://pt.calameo.com/books/0002602455b14444e8899)

MOREIRA, D. S. Dez epigramas sobre Narciso. Rónai: revista de estudos clássicos e tradutórios, Juiz de Fora, v. 4, n. 1, p. 57-64, 2016. (Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23153)

OLIVA NETO, J. A. Minha guirlanda de poemas: 31 traduções inéditas. Organon, Porto Alegre, nº 49, julho-dezembro, 2010, p. 259 – 272 (cf. part. p. 267-268). (Disponível em: file:///Users/amarante/Desktop/29002-112089-1-SM.pdf)

ORTEGA VILLARO, B; PÉREZ IBÁÑEZ, M. J. Relación entre el epigrama griego y latino tardoantiguo: algunas calas. Nova tellvs, 28, 1, p. 179-222, 2010. (Disponível em http://www.scielo.org.mx/pdf/novatell/v28n1/v28n1a7.pdf)

SIVAN, H. Ausonius of Bordeaux: Genesis of a Gallic Aristocracy. London and New York: Routledge, 1993.