De autoria da professora Scarlett Marton, a obra evidencia as muitas e variadas ambivalências que caracterizam as posições de Nietzsche em relação às mulheres

Por
Redação
Data de Publicação
Editoria

 

A Éditions de la Sorbonne, editora da Universidade de Paris, está lançando o livro Les ambivalences de Nietzsche Types, images et figures féminines, de Scarlett Marton, Professora Titular do Departamento de Filosofia da FFLCH, que aborda o pensamento do filósofo Friedrich Nietzsche sobre as mulheres presente em seus textos.

As reflexões de Nietzsche sobre as mulheres não têm um lugar marginal em seu trabalho; não podiam ser reduzidos a preferências pessoais e muito menos a ocasionais equívocos. Ao incluí-los em seu empreendimento filosófico, a obra mostra que eles estão intimamente relacionados aos principais temas de seu pensamento, como perspectivismo e experimentalismo, a crítica da metafísica e a luta contra o dogmatismo, psicologia e tipologia, espíritos livres e filósofos do futuro, a vontade de verdade e a ideia de interpretação, o conceito de vontade de potência e a noção de força, eterna recorrência e amor fati, ideias modernas e décadence.

Com isso, a autora evita o risco de enfocar nos textos de Nietzsche um olhar obcecado pela defesa ou rejeição de posições feministas. Por um lado, evita-se fazer uma leitura literal e anacrônica de seus escritos que o levasse a chamá-lo de misógino; por outro lado, não se cai no vício simétrico, de um discurso apologético que o tornaria cúmplice do feminismo.

A partir de uma leitura imanente dos escritos de Nietzsche de acordo com a ordem cronológica em que foram escritos, o livro busca contextualizar suas reflexões sobre as mulheres de duas maneiras: restaurando-as em seu contexto imediato e em todo o corpus nietzschiano. Esta abordagem permite evidenciar as muitas e variadas ambivalências que caracterizam as posições de Nietzsche em relação às mulheres: diz respeito ao comportamento das mulheres casadas perante os espíritos livres, às atitudes das mulheres amorosas para com os seus amantes, aos traços das amadas de Zaratustra em comparação com os de mulheres apenas humanas. Mostra também que, quando se trata de mulheres emancipadas, Nietzsche não é absolutamente ambivalente. Ele adere à posição de condenar as mulheres à exclusão que é característica da filosofia moderna.

O livro, em francês, pode ser adquirido no site da Éditions de la Sorbonne.