Docente da FFLCH é curador de exposição sobre viagem de alemães pelo Brasil

Stefan Wilhelm Bolle, do Departamento de Letras Modernas, é um dos responsáveis pela mostra - que ficará na Biblioteca Brasiliana até o dia 26 de abril –, junto com a ex-professora de História da Faculdade Karen Macknow Lisboa
Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria
Notícias

 

 

exposição
O lançamento dessa exposição foi em maio de 2018, no próprio Instituto Martius-Staden, depois foi exibida em centros culturais, museus e colégios até chegar na Brasiliana, e ainda será montada em outros lugares pelo país. A mostra faz parte de um projeto cultural para comemorar os 200 anos da viagem, no qual será realizado documentários e duas publicações bilíngues, com duração de três anos


Na próxima segunda-feira, dia 11 de março, às 12h, será realizada a abertura da exposição itinerante Viagem de Spix e Martius pelo Brasil, instalada na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP, uma realização do Instituto Martius-Staden e do Colégio Visconde de Porto Seguro. 

A curadoria é da historiadora Karen Macknow Lisboa - que
foi docente do Departamento de História da Faculdade, de 2013 a 2017 ,e do professor de literatura Stefan Wilhelm Bolle (mais conhecido como Willi Bolle), do Departamento de Letras Modernas da área de alemão.

Os dois curadores já levaram esta exposição itinerante para Berlim, na Alemanha, onde ficou montada no Instituto Iberoamericano, de fevereiro deste ano até esta segunda semana de março. Além disso, eles ministraram um curso na pós-graduação justamente sobre a viagem tema da mostra.


Ao visitar a exposição, o público poderá conhecer mais sobre o Brasil de cerca de 200 anos atrás, quando Johann Baptist von Spix – doutor em Medicina, porém apaixonado pelas Ciências Naturais – e Carl Friedrich Philipp von Martius – médico, naturalista e botânico – partiram para uma expedição de três anos, iniciada em 1817, que contornou o país, do Rio de Janeiro à Amazônia, percorrendo mais de 10 mil quilômetros.

Pioneirismo

Durante a viagem, os alemães colecionaram cerca de 6.500 espécies vegetais e quase 3.500 espécies de animais, além de peças mineralógicas e etnográficas.
A aventura resultou inicialmente nos três volumes do livro Reise in Brasilien (Viagem pelo Brasil, em português). “O livro mais importante publicado em língua alemã sobre o Brasil”, destaca Bolle, um dos curadores da exposição, que é natural de Berlim, Alemanha, e veio para o Brasil em 1966.

viagem


A expedição dos dois alemães pelo Brasil deixou um legado para os estudos culturais, históricos e naturais sobre o país. O curador ressalta o pioneirismo deles em desbravar o sertão, estimulando outras viagens e publicações, como Os Sertões, de Euclides da Cunha; e também o olhar para questões que ainda não eram abordadas há 200 anos. “Eles chamaram a atenção sobre o perigo da destruição ambiental já naquela época, por causa dos excessos de mineração, e as queimadas no cerrado”, frisa Bolle.


O objetivo da exposição é celebrar os diversos aspectos da longa caminhada empenhada pelos viajantes, além de traçar paralelos. Presente e passado se juntam nos 21 banners que compõem a mostra. As gravuras históricas que acompanham os livros são comparadas com fotos recentes tiradas por Bolle e Eckhard Kupfer, diretor do Instituto Martius-Staden, em viagens que buscam retraçar os passos dos cientistas europeus. Eles já passaram por Minas Gerais, Bahia e em breve visitarão a região amazônica.

Mas, o interesse de Bolle nestas expedições não surgiu por causa da curadoria da exposição. Pois, desde que está no Brasil, o docente da FFLCH pesquisa a topografia cultural da metrópole São Paulo, passando pelo sertão, até a Amazônia. Atualmente, ele é professor sênior da Faculdade, atuando ativamente na pós-graduação da área de Língua e Literatura Alemã.

Confira aqui
o vídeo de apresentação da exposição, com a curadora da Biblioteca Guita e José Mindlin, Cristina Antunes.

A abertura da exposição contará com uma apresentação do diretor do Instituto Martius-Staden e do curador Bolle. A entrada é gratuita, sem necessidade de inscrição prévia, e acontecerá no dia 11 de março, às 12h, na sala multiuso da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin.

O público poderá visitar a exposição, também gratuitamente, a partir do dia 12 de março até 26 de abril, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 18h30, na mesma Biblioteca, localizada no Espaço Brasiliana, Rua da Biblioteca, 21 – Cidade Universitária, São Paulo.

Mais informações e agendamento de monitoria pelo e-mail:
educativo@bbm.usp.br


(Com informações do Instituto Martius-Staden e da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP)