Independência inibiu produção do romance em Moçambique

Pesquisa da FFLCH analisa como a independência de Moçambique influenciou diretamente a produção literária local, inibindo o desenvolvimento da prosa nos anos seguintes
Por
Paulo Andrade
Data de Publicação

 

Desfile público em comemoração pela vitória da Frente de Libertação de Moçambique
Desfile público em comemoração pela vitória da Frente de Libertação de Moçambique na Guerra de Independência. Foto: José Chasin/Wikimedia


A história política de Moçambique nos anos 1970 influenciou diretamente a produção literária local e inibiu o desenvolvimento da prosa nos anos seguintes à independência do país. O tema foi desenvolvido por Ubiratã Roberto Bueno de Souza em doutorado defendido na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa.

Moçambique foi colônia de Portugal até 1975, quando conquistou sua independência após 10 anos de guerra entre moçambicanos e exércitos portugueses. Vitoriosos, os revolucionários passaram a governar o país, quando questões internas e externas deram início a uma guerra civil em 1976, que só terminaria em 1992.

O pesquisador explica que a literatura moçambicana no tempo colonial produzia muita poesia e pouquíssima prosa. Souza divide produção do período entre três grupos: brancos ligados à metrópole, que produziam temas ligados às questões coloniais de Portugal; negros, mestiços e grupos que se opunham à colonização por meio de textos sobre identidade social, cultural e política; e um terceiro grupo, cujas obras foram esquecidas por influências políticas de suas respectivas épocas.

A pesquisa analisou o período de ascensão de textos poéticos diretamente ligados aos ideais revolucionários da independência. Tais obras expressavam a linha ideológica do Estado, com enaltecimento de heróis da nação e os triunfos do partido. As poesias foram compiladas nas chamadas Poesia de Combate, em 1977, 1979 e 1983.

Exército Português procurando armadilhas na Guerra de Independência de Moçambique
Exército Português procurando armadilhas na Guerra de Independência de Moçambique.
Foto: Joaquim Coelho/Wikimedia

Ascensão da prosa

Em 1987, o colapso e falência do governo revolucionário inicia um período de transição política para um capitalismo ocidental, com liberalismo na economia e acordos internacionais. Na literatura, o marco desse período foi o lançamento de Ualalapi, do escritor Ungulani Ba Ka Khosa, que tanto adota elementos próprios do romance quanto aborda a poesia revolucionária sob uma ótica invertida. 

“Se é ou não um romance, não importa muito: interessou para a pesquisa observar como existem formas do romance que estão dentro daquela obra e são trabalhadas em consonância com as dinâmicas históricas de Moçambique”, explica o pesquisador.

A partir desse momento, a prosa passa a predominar em Moçambique. “A literatura passa a explorar a diversidade e a multiplicidade cultural do país com um gênero literário, o romance, que se fundamenta em essência sobre a multiplicidade e a diversidade discursiva”, avalia Souza.

E é nessa mudança de vetores que está a tese do trabalho: a poesia de combate, expressão literária que ajudou na construção do Estado socialista, inibiu o desenvolvimento do romance em Moçambique. E, com a falência dos ideais revolucionários, a partir de 1987, a prosa passou a expressar as dinâmicas históricas e culturais do país.

“Quando se compara o tipo de narrativa histórica única e teleológica da poesia de combate com o tipo de narrativa histórica contraditória e implodida em suas bases de Ualalapi, tem-se um inequívoco arco de distensão muito inquietante para a crítica”, explica o pesquisador.

Moçambique x Brasil

Souza também aponta semelhanças entre as dinâmicas históricas brasileiras e moçambicanas: “O Brasil viveu diversos episódios em que a constituição de uma expressão literária se encontrava cruzada por uma teia de disputas, arranjos e confrontos de ideias próprios do nascimento de um Estado independente”. 

Para o pesquisador a literatura contribui na formação de uma identidade nacional. “A literatura toma parte no processo de constituição e definição dos diversos nacionalismos que coexistiram quando o Brasil se tornou um país, e tem um papel fundamental nas diversas identidades nacionais que circulam até os nossos dias”.